Lançamento da Federação representa fortalecimento da agricultura familiar no Território do SisalEvento que aconteceu em abril marcou pelo início de um movimento de representação.
O Seminário de lançamento da Federação das Centrais de Associações do Território do Sisal – União Sertaneja, marcou o início de um movimento de representatividade dos trabalhadores rurais das Centrais de associações, associações, EES (empreendimentos da economia solidária – Grupos produtivos), com o objetivo de atuação no fomento, fortalecimento do associativismo, priorizando o bem estar humano, a sustentabilidade ambiental e o fortalecimento da economia de base solidária.
O evento aconteceu em abril, no Salão de Eventos do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Itiúba-BA, onde foram discutidas futuras ações que irão fortalecer o associativismo no território, com a participação dos diretores das Centrais de Associações da CAEC, UAPAC, CEAIC, CACAFI, CACTUS, UNAMS, CAMUQ, CDA, CAF, CICON, UAQ, líderes e colaboradores técnicos de projetos da Humana Brasil, dentre outras parcerias.
A Humana Brasil está presente em 09 Territórios da Bahia, e na região do Sisal, o Projeto União Sertaneja vem fazendo um trabalho exitoso, com o UAPAC, CDA e Instituto Aliança, gerando o fortalecimento das Centrais de Associações. Esse trabalho da Humana Brasil e dos co-requerentes, derivou de uma necessidade anterior, culminando na criação de uma Federação que representa o olhar sob o futuro dos trabalhadores rurais, juntamente com a União Europeia, que por sua vez representa um símbolo de confiança sobre o valor que a Federação carrega.
No evento, Junior Simões, coordenador da Assembléia, evocou a importância da Federação e a necessidade de uma estrutura de representação das Centrais Municipais, sendo uma construção coletiva e compartilhada, levando mais de seis anos auscultando, repensando e construindo os instrumentos que viessem viabilizar a proposta.
A Federação das Centrais de Associações do Território do Sisal e região que abrange três territórios de identidade, sendo eles Território do Sisal, Semiárido Nordeste II e Piemonte Norte do Itapicuru, com um total de 11 municípios presentes, compartilha a missão de trabalhar o fortalecimento do associativismo e o desenvolvimento sustentável. Essa abrangência não se restringe para as centrais, o objetivo é unir todas as entidades que possam fortalecer o objetivo máximo da Federação. O Coordenador Geral, Walter Evangelista esclarece que ‘não só as Centrais podem se filiar, mas também os STR´s, as associações, as ONGs, as redes de produção e até as cooperativas que atuam na área agricultura familiar da região’.
O lançamento da Federação surge como esperança na continuidade de lutas para a conquista de direitos e melhorias na produção e comercialização da agricultura familiar. “Como sabemos a agricultura familiar é sofrida, o que torna um desafio ser agricultor familiar e enfrentar tantos problemas, tanto na produção como na comercialização” afirma Roberto Neto, representante da Humana Brasil no uso da fala. A criação de uma Federação das centrais de associações é um passo para que as mesmas sejam representadas em um movimento gerado pela cooperação, em meio à luta pelo desenvolvimento da agricultura familiar no Território do Sisal. “A Federação representa um olhar para o futuro, todos estão de parabéns, em nome da Humana confirmamos o apoio as Centrais e a Federação que está sendo hoje criada” declara.
Além de um movimento de representatividade, a Federação torna-se um resultado da evolução do associativismo na região, depois de um período de declínio, como relata Dil Carlos, representante da Santa Luz FM. ‘’O movimento associativista estagnou, não evoluiu, não conquistou seu espaço nacional. Ao contrário do sistema cooperativista. É importante a Federação nesse sentido, porque demonstra que ouve uma evolução do associativismo regional’’.
Nesse contexto, nasce a Federação, com a perspectiva de vitória, mudança e desenvolvimento, para uma sociedade mais justa e igualitária. É o Sisal, incluso e fortalecido.

  1. Elione – Fundação APAEB “Eu acredito na representatividade da Federação”.
  2. Reinilda Santos – MOC “A Federação vem na linha de debate para realizar o resgate e a conquista de direitos”.
  3. Leninha Laranjeira – COOPARGI “Parabenizo o presidente da Federação e os diretores, pelos trabalho desenvolvido e pela criação da Federação, uma Federação é mais ouvida do que uma Central ou Associação”.
  4. Edson Brito – CACAFI “A partir de hoje temos um compromisso a mais para tocar os trabalhos da Federação, estou muito feliz”.
  5. Joé Carlos – IDASB “A Federação vem no sentido, de preencher os vazios. E quem é a Federação? São as Centrais e as Associações do Território e da Região”.

 

DIRETORIA ELEITA

  • Coordenador geral – Valter Evangelista dos Santos - Diretor do CEAIC - Centro de Apoio aos Interesses Comunitários da região Sisaleira;
  • Coordenador Financeiro – Rogerio de Almeida Alves - Diretor da UAQ - União das Associações de Quijingue;
  • Coordenador Administrativo – Anatália da Silva Almeida – Diretora da UAPAC - União das Associações dos Pequenos Agricultores de Cansanção;
  • Conselheiros (as) 1 – Raimunda da Costa Santos – Diretora da CAEC - Central das Associações de Euclides da Cunha;
  • Conselheiros (as) 2 – Rosilda Alves da Silva Reis – Diretora da CICON - Centro de Interesses Comunitário de Nordestina;
  • Conselho Fiscal 1- Juliete Matos de Araújo – Diretora da CACTUS - Central das Associações Comunitárias de Tucano;
  • Conselho Fiscal 2- Edson Silva Brito – Diretor da CACAFI - Central de Associações Comunitárias de Agricultores Familiares de Itiúba;
  • Conselho Fiscal 3- Silvio Soares da Silva – CAMUQ - Central de Associações do Município de Queimadas;
  • Suplente do Conselho Fiscal 1- Osmar Passos dos Reis – CAF - Central de Associações de Filadélfia;
  • Suplente do Conselho Fiscal 2- Analeide da Silva – UNAMES - União das Associações de Monte Santo;
  • Suplente do Conselho Fiscal 3- Marilene Silva Ferreira – CDA - Central de Desenvolvimento das Associações de Araci.